Orgulhosamente localizada na
Incubadora de Empresas da COPPE/UFRJ

Notícias
Sistemas de conversão
A tecnologia consiste na conversão da energia dos oceanos em eletricidade ou em energia hidráulica para dessalinização. Ela possui conceitos diferenciados, podendo gerar eletricidade a partir de sistemas hidráulicos ou mecânicos. Há uma flexibilidade no sistema de geração elétrica quando comparado ao sistema de conversão primária (bombeamento), já que o primeiro está posicionado em solo firme, enquanto o segundo está localizado no mar. A transmissão da energia proveniente do sistema de conversão pode ser feita por meio de tubulação hidráulica ou de cabos submarinos, o que gera uma redução dos custos de produção.

Conversores de ondas nearshore
Sistema de Conversão Nearshore

Os conversores nearshore da SEAHORSE trabalham sem a utilização de braços mecânicos. Eles são conectados a estruturas fixas no fundo do mar. Em certas situações, o dispositivo requer um sistema hidráulico telescópico para compensar as variações de maré. Os equipamentos de alta pressão, assim como o grupo de geração elétrica, são instalados no interior de um dos flutuadores — ou em uma plataforma fixa no fundo do mar, ou ainda em terra, se as distâncias forem economicamente viáveis — e recebem água pressurizada a partir de todos os flutuadores interligados. A potência total de uma planta é definida pelo número de módulos de bombeamento que trabalham simultaneamente. Os arranjos podem ser feitos em configuração em linha ou, quando se tratar de um grande número de módulos, em disposição quadriculada ou retangular com várias linhas paralelas. Se o sistema de geração estiver situado sobre uma plataforma fixa no mar, a transmissão da eletricidade para a rede local é feita por meio de cabos submarinos.

Conversores de ondas offshore
Sistema de Conversão Offshore

Os conversores offshore da SEAHORSE operam totalmente flutuantes em águas profundas. Os equipamentos de alta pressão, assim como o grupo de geração elétrica, são instalados dentro de um dos flutuadores e recebem água pressurizada a partir de todos os outros flutuadores (módulos de bombeamento). A potência total da planta é definida pelo número de módulos de bombeamento que trabalham simultaneamente, tanto na configuração em linha como numa disposição matricial.
A planta consegue manter sua posição de localização no oceano por meio de cabos de ancoragem presos no fundo do mar, além de um sistema de posicionador dinâmico (motores próprios comandados por informação de satélite). A transmissão da eletricidade produzida à rede local mais próxima em terra é feita por meio de cabos submarinos.

Conversores de correntes de rio ou oceânicas
Sistema de Conversão - Correntes

A planta para geração de eletricidade ou dessalinização opera por meio de turbinas submersas em rios ou oceanos. Essas turbinas, por sua vez, podem operar com as bases apoiadas no leito do rio ou no fundo do mar. A altura do corpo da turbina em relação à superfície da água é otimizada de forma a alcançar as maiores velocidades de correntes, sem prejuízo de navegação. Em regiões de águas muito profundas, onde não há conflito com a navegação, há outra forma de proceder: as turbinas podem ser mantidas suspensas e fixadas na parte inferior de uma estrutura flutuante — que, por sua vez, encontra-se ancorada no fundo do oceano ou no fundo ou nas margens do rio.
Os equipamentos para geração de eletricidade e/ou dessalinização são instalados margem seca do rio, ou sobre uma plataforma fixa no fundo do oceano. Essas diferentes modalidades mantêm os equipamentos de geração de eletricidade e de dessalinização sempre em local seco, visando facilitar a operação e a manutenção.

Dessalinização
Sistema de Conversão com Dessalinização

Os conversores de energia testados pela SEAHORSE convertem a energia dos oceanos em energia hidráulica, sob a forma de fluido em alta pressão em um acumulador. Em particular, o funcionamento do conversor pelas ondas do mar consiste em um corpo flutuante que sob a ação das ondas, movimenta uma bomba para atender a diferentes classes de pressão. Essa bomba envia o fluido em alta pressão para um acumulador hidropneumático. Após esse estágio, o conceito apresentado pode tanto gerar eletricidade como dessalinizar água por osmose reversa. Isso ocorre devido à versatilidade do sistema, que pode operar nas pressões requeridas para o processo de dessalinização da água do mar (teor de salinidade de 35‰) e da água salobra (teor da ordem de 3‰).